24 de maio de 2017

Nova entrevista na Rádio Inconfidência onde tratei sobre educação ambiental e sustentabilidade.


A convite do jornalista e comunicador Emerson Rodrigues, estive novamente na Rádio Inconfidência para mais um bate papo tratando de temáticas como educação ambiental e sustentabilidade. A entrevista aconteceu ao vivo, durante o programa Diário do Rádio que vai ao ar de segunda a sexta das 10 às 11 hs.
Compartilho este momento com vocês, e os convido a ouvir a entrevista.

13 de maio de 2017

Como construi minha composteira/minhocário caseira.


Nesta semana conclui um projeto muito desejado por mim. Construí minha composteira/minhocário.

Ter uma composteira caseira é um ótimo jeito de de mudar a relação com o lixo que geramos e, assim, reduzir a quantidade de lixo orgânico que destinaríamos para os aterros sanitários, provocando contaminação do solo e dos lençóis freáticos e a emissão de gases poluentes na atmosfera.
A composteira doméstica decompõe os alimentos por meio da ação de micro-organismos e, com a ajuda de minhocas, transformam os restos de frutas, legumes e verduras em um rico adubo, tanto líquido, como sólido. A compostagem com minhocas é também conhecida como vermicompostagem.
Para começar meu projeto, contei com a colaboração generosa de Dona Olga, minha amiga de mutirões de plantio. Foi ela quem me doou alguns exemplares de minhocas californianas, as mais indicadas para compostagem.

Para que você acompanhe o processo e possa se animar também a construir uma composteira econômica e funcional, preparei um passo a passo ilustrado. 

Para este projeto você irá precisar de:
- 3 baldes plásticos com tampa e a capacidade de 15 litros .
- Furadeira e uma broca 3 mm
- Estilete
- Minhocas

Utilizei 3 baldes vazios de margarina, comprados em uma padaria por um precinho bem módico.

Comecei lavando bem com água morna e sabão o interior dos baldes para retirar os resíduos gordurosos da margarina, que são prejudiciais a todo o processo de compostagem.

Na sequência, com auxílio de uma furadeira, procedi furos com broca de 3mm:

- nos fundos de 2 baldes,
- nas laterais superiores dos três baldes, para que o oxigênio penetre na caixa,
- em uma das tampas (a que ficará no topo da composteira).

Você também deverá retirar, com auxilio de um estilete,  o centro das outras duas tampas para que as minhocas possam subir e descer livremente pela composteira. 

Deixe apenas a borda das tampas para que o balde superior fique suspenso,

Você pode optar por instalar uma torneirinha no ultimo balde para escoamento do chorume que se depositará ali, ao longo do processo de compostagem. Mas eu não vi grande necessidade da torneira, já que posso ir retirando o chorume aos poucos com um  copinho. Lembro ainda que o chorume é um excelente adubo natural e como me foi ensinado pela querida Dona Olga, deve ser dissolvido em água na proporção de 1 poção para 9 de água, antes de aplicado na rega dos vasos.
Para concluir o projeto de montagem, tratei de promover uma limpeza externa nos baldes. Com auxílio de uma esponja de aço, água , sabão e força nos muques, retirei toda tinta de impressão que cobria os baldes. 
Eles ficaram branquinhos e prontos para receber uma decoração floral, e me lembrar que em breve o que se formará alí, será um belo insumo para fazer florescer tantos vasos.
Veja como ficou lindinha minha composteira/ minhocário.



Já iniciei o processo de compostagem. Para tanto separei cascas de frutas e legumes, folhas secas e as minhocas que foram depositadas no primeiro balde.


Sigo com o processo, levando em conta algumas pequenas regras que aprendi com a Dona Olga e com o auxílio de um manual que disponibilizo para você também. É só clicar na imagem abaixo.


Eu estou amando este meu novo projeto. Espero que tenham gostado também. 

Agradecendo pelos milagres que a natureza nos proporciona através de sua capacidade transformadora e à querida Dona Olga, 
este post participa da blogagem coletiva #52 semanas de gratidão.

16 de abril de 2017

Uma doce Páscoa em uma lata reciclada.


Com um pouquinho de capricho e alguns materiais recicláveis podemos preparar nossas lembranças de Páscoa. 
Com uma demão de primer, tinta PVA e guardanapo usado para decoupagem, transformei uma simples lata de leite em pó neste porta balas.
Simples e cheio de carinho...
 



11 de abril de 2017

OSCAR, O GNOMO DA CHUPETA VEIO MORAR EM NOSSA ECOTECA.

Conheça a fábula infantil que nos conta para onde vão as chupetas quando não precisamos mais delas e sobre os princípios da reciclagem e do uso de meios de transporte não poluentes.



Acabamos de receber mais um lindo livro infantil que passa a compor o acervo da Ecoteca Maria Reciclona: Oscar O Gnomo da Chupeta, escrito e ilustrado pelo artista gráfico, Jean-Paul Colemonts.



O livro, lançado em março pela editora Chiado (Portugal) aborda, de maneira lúdica, o momento em que as crianças devem deixar suas chupetas e o que acontece quando não precisamos mais delas. 
Colemonts nos contou, em um bate papo informal, que escreveu a fábula especialmente para seu filhinho Victor, à época com três anos.





Oscar, o personagem principal,  é um gnomo que trabalha como assistente do Papai Noel no departamento de reciclagem, transformando chupetas velhas em brinquedos novos...
E assim,  o gnomo da chupeta, protagoniza uma linda fábula ensinando às crianças além do conceito da reciclagem,  o  uso dos meios de transporte não poluente, já que suas entregas são sempre feitas de bicicleta.
O livro já está  à venda no Brasil, e também no site da editora Chiado ou diretamente com o autor, a quem agradecemos o envio.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...